Junho de 2019 é o mês esta­be­le­ci­do para a entra­da em vigor das Ins­tru­ções Nor­ma­ti­vas 76 e 77, sub­me­ti­das à ava­li­a­ção públi­ca duran­te 90 dias em 2018 e publi­ca­das pelo Minis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, Pecuá­ria e Abas­te­ci­men­to em novem­bro pas­sa­do. Todos os pro­du­to­res e geren­tes de indús­tri­as pro­du­to­ras de lác­te­os pre­ci­sam conhe­cê-las, dis­cu­ti-las e, cer­ta­men­te, ado­tá-las. As INs cri­am o divi­sor de águas mais rigo­ro­so, até o momen­to, entre o Pro­du­tor de lei­te e o “tira­dor de lei­te”, em prol do cres­ci­men­to em quan­ti­da­de e qua­li­da­de do lei­te e da sus­ten­ta­bi­li­da­de da cadeia pro­du­ti­va.

Na IN 76 cons­ta o regu­la­men­to téc­ni­co dos pro­du­tos, enquan­to na IN 77 estão regu­la­men­ta­dos a ins­pe­ção sani­tá­ria, a obten­ção do lei­te, seu acon­di­ci­o­na­men­to e trans­por­te até a recep­ção. Para o lei­te cru refri­ge­ra­do, com exce­ção do lei­te tipo A, está man­ti­da a con­ta­gem bac­te­ri­a­na máxi­ma de 300 mil e de 500 mil célu­las somá­ti­cas. Para o lei­te arma­ze­na­do, o limi­te é de 900 mil célu­las por mili­li­tro. Foram esta­be­le­ci­dos em níveis ain­da altos por­que refle­tem a rea­li­da­de bra­si­lei­ra; por isso, deve­rão ser rea­va­li­a­dos a cada dois anos.

Vári­as das novas regras serão deta­lha­das pelo Mapa em um futu­ro pró­xi­mo. A IN 77/2018 esta­be­le­ce que o lei­te será ana­li­sa­do com mai­or rigor quan­to à pre­sen­ça de anti­bió­ti­cos e outros pro­du­tos que indi­quem mane­jo ina­de­qua­do do reba­nho, ou frau­de. Pro­gra­mas para a qua­li­fi­ca­ção dos pro­du­to­res irão for­ta­le­cer boas prá­ti­cas como o cum­pri­men­to de pla­no de mane­jo sani­tá­rio no con­tro­le de bru­ce­lo­se, tuber­cu­lo­se, mas­ti­te e para­si­tas, além de medi­das de higi­e­ne, com super­vi­são pelo lati­cí­nio ou coo­pe­ra­ti­va, atra­vés dos já exis­ten­tes Pla­nos de Auto­con­tro­le.

O item que tal­vez seja o mais polê­mi­co, e jus­ti­fi­ca que pro­du­to­res e esta­be­le­ci­men­tos estu­dem as INs com aten­ção, é a pos­si­bi­li­da­de de sus­pen­são da cole­ta do lei­te de pro­du­to­res cujas aná­li­ses de CBT e CCS indi­quem três resul­ta­dos con­se­cu­ti­vos fora dos limi­tes esta­be­le­ci­dos. Tal medi­da é de cará­ter peda­gó­gi­co, pois dá opor­tu­ni­da­de ao pro­du­tor para cor­ri­gir seu mane­jo e per­ma­ne­cer entre­gan­do seu lei­te, ao lon­go de cin­co meses. Ao mes­mo tem­po, para vol­tar a entre­gar seu lei­te, bas­ta­rá um resul­ta­do den­tro dos padrões.

As INs 76 e 77 cer­ta­men­te ele­vam as exi­gên­ci­as para a pro­du­ção de lei­te, pro­mo­ven­do o aumen­to da sua qua­li­da­de. Essa já não é uma ten­dên­cia, é a nova rea­li­da­de: pro­du­zir lei­te no Bra­sil pas­sa a ter regras que se apro­xi­mam daque­las de outros paí­ses, os que pri­vi­le­gi­am a qua­li­da­de do pro­du­to, a segu­ran­ça do ali­men­to entre­gue ao con­su­mi­dor, e que são expor­ta­do­res. Qua­li­da­de abre mer­ca­dos e aumen­ta a ren­ta­bi­li­da­de!

Nes­sa nova rea­li­da­de, é fun­da­men­tal que todos com­pre­en­dam que para se man­ter com­pe­ti­ti­vo, o pro­du­tor de lei­te pre­ci­sa acom­pa­nhar os avan­ços tec­no­ló­gi­cos, fazer a ges­tão da pro­pri­e­da­de para garan­tir sua ren­ta­bi­li­da­de, pro­por­ci­o­nar bem-estar a seu reba­nho e entre­gar lei­te de modo a aten­der aos dese­jos dos con­su­mi­do­res na cida­de.  Por­tan­to, cabe a cada um ava­li­ar o quan­to as novas regras irão alte­rar seu modo de pro­du­ção, e bus­car se ade­quar.

Coin­ci­dên­cia ou não, o dia pri­mei­ro de junho foi esco­lhi­do pela Orga­ni­za­ção das Nações Uni­das, por meio da sua Orga­ni­za­ção para Agri­cul­tu­ra e Ali­men­tos (FAO) para cele­brar, des­de 2001, o Dia Mun­di­al do Lei­te. A data ser­ve para cha­mar a aten­ção para a impor­tân­cia do lei­te e dos pro­du­tos lác­te­os na com­po­si­ção de die­tas sau­dá­veis de mui­tos paí­ses no mun­do. Ser­ve tam­bém para demons­trar que o lei­te é par­te da pro­du­ção sus­ten­tá­vel de ali­men­tos, man­ten­do comu­ni­da­des e esti­los de vida de mais de um bilhão de pes­so­as, que ali­men­tam dia­ri­a­men­te mais de seis bilhões de pes­so­as. Em 2018 o Dia Mun­di­al do Lei­te foi cele­bra­do em 72 paí­ses, com even­tos que reper­cu­ti­ram na impren­sa e com bilhões de cita­ções nas mídi­as soci­ais.

Um brin­de à nova rea­li­da­de, no mês do dia Mun­di­al do Lei­te.

Rolar para cima