fbpx

Como planejar de forma eficiente a nutrição dos bovinos leiteiros

Por Letí­cia de Sou­za San­tos, zoo­tec­nis­ta, mes­tre em Zoo­tec­nia e ana­lis­ta de Pro­du­tos na Minerthal

 

A ali­men­ta­ção do reba­nho é um dos cus­tos mais impac­tan­tes e impor­tan­tes que com­põe o desem­bol­so total da pro­du­ção na ati­vi­da­de lei­tei­ra. Por isso, é indis­pen­sá­vel que se tenha um pla­ne­ja­men­to ali­men­tar pre­ci­so. Para isso é fun­da­men­tal con­si­de­rar todos os pon­tos essen­ci­ais que garan­tem máxi­mo desem­pe­nho dos ani­mais com menor cus­to pos­sí­vel.

Quan­do fala­mos em pla­ne­ja­men­to nutri­ci­o­nal pode­mos agru­par, de for­ma sim­pló­ria, dois pon­tos: pro­vi­si­o­na­men­to de ingre­di­en­tes e mane­jo ali­men­tar. Vamos con­si­de­rar que o pro­vi­si­o­na­men­to de ingre­di­en­tes leva em con­ta o tama­nho e evo­lu­ção do reba­nho, die­ta for­mu­la­da pelo nutri­ci­o­nis­ta, insu­mos dis­po­ní­veis para com­pra na região, capa­ci­da­de de pro­du­ção de ali­men­to na fazen­da, dimen­si­o­na­men­to de arma­ze­na­gem, den­tre outros pon­tos que garan­tam que todos os ali­men­tos neces­sá­ri­os esta­rão dis­po­ní­veis duran­te o ano e com o menor cus­to pos­sí­vel, maxi­mi­zan­do o lucro.

 

E o mane­jo ali­men­tar? O que é e qual sua impor­tân­cia?

Além do pro­vi­si­o­na­men­to cor­re­to de maté­ri­as pri­mas e for­mu­la­ção cer­tei­ra da die­ta, é de extre­ma impor­tân­cia garan­tir um efi­caz mane­jo ali­men­tar visan­do o con­su­mo volun­tá­rio dos ali­men­tos pelos ani­mais nas pro­por­ções esta­be­le­ci­das pelo téc­ni­co res­pon­sá­vel, bus­can­do melhor desem­pe­nho e, con­se­quen­te­men­te, mai­or pro­du­ti­vi­da­de.

O cui­da­do com o mane­jo ali­men­tar fica evi­den­ci­a­do quan­do ouvi­mos inú­me­ros nutri­ci­o­nis­tas dizen­do que pode­mos “sepa­rar” a die­ta for­mu­la­da por eles, como se fos­sem qua­tro die­tas com­ple­ta­men­te dife­ren­tes: die­ta for­mu­la­da pelo nutri­ci­o­nis­ta (a do papel), a die­ta que é mis­tu­ra­da na fazen­da (com todos os arre­don­da­men­tos e pos­sí­veis erros de ope­ra­ção), a for­ne­ci­da para os ani­mais e a que de fato os ani­mais con­so­mem (con­si­de­ran­do a sele­ção que os ani­mais fazem ao con­su­mir esta die­ta).

O mane­jo ali­men­tar tem como obje­ti­vo fazer com que a die­ta for­mu­la­da seja a mes­ma ou a mais pró­xi­ma pos­sí­vel da inge­ri­da pelo ani­mal, fazen­do com que o resul­ta­do colhi­do pelo pro­du­tor seja fiel ao pla­ne­ja­do.

Para que isto ocor­ra é pre­ci­so conhe­cer os ani­mais, o ambi­en­te, os maqui­ná­ri­os uti­li­za­dos para pesa­gem, mis­tu­ra e dis­tri­bui­ção des­ta die­ta, a infra­es­tru­tu­ra da pro­pri­e­da­de e trei­na­men­to da equi­pe que será res­pon­sá­vel por essas eta­pas.

Como a ado­ção do cor­re­to mane­jo depen­de de vári­os fato­res e varia de fazen­da para fazen­da, vamos divi­dir em tópi­cos alguns pon­tos impor­tan­tes que pre­ci­sa­mos obser­var a fim de esco­lher as melho­res téc­ni­cas e con­se­guir de fato o melhor apro­vei­ta­men­to dos ali­men­tos e pro­du­ti­vi­da­de das vacas.

Fato­res que afe­tam o con­su­mo da die­ta

O con­su­mo volun­tá­rio de ali­men­tos pelas vacas é influ­en­ci­a­do por dois prin­ci­pais fato­res: físi­co (enchi­men­to físi­co do rúmen cau­sa­do pela fibra das die­tas) e meta­bó­li­co (sen­sa­ção de saci­e­da­de cau­sa­da por die­tas com alta den­si­da­de ener­gé­ti­ca). Basi­ca­men­te, os ali­men­tos que cau­sam enchi­men­to físi­co são os volu­mo­sos (sila­gens, pas­to, entre outros) e os que tra­zem bas­tan­te ener­gia para a die­ta são os que com­põem a fra­ção con­cen­tra­da ou fare­la­da das die­tas, conhe­ci­dos como ração.

No Bra­sil, o fator que mais limi­ta o con­su­mo é o físi­co e por isso pre­ci­sa­mos ficar aten­tos a ele.

Quan­do fala­mos em limi­ta­ção físi­ca do con­su­mo, esta­mos falan­do na por­cen­ta­gem de FDN (Fibra em Deter­gen­te Neu­tro) na com­po­si­ção da die­ta. É reco­men­dá­vel, no máxi­mo, con­su­mo de 1,2% do peso vivo de FDN na die­ta total das vacas. Valo­res aci­ma dis­so podem limi­tar con­su­mo e valo­res abai­xo podem dimi­nuir a mas­ti­ga­ção, pre­ju­di­can­do saú­de rumi­nal e, por con­sequên­cia, a pro­du­ti­vi­da­de.

É impor­tan­te lem­brar que a capa­ci­da­de de dis­ten­são do rúmen varia de acor­do com a pro­du­ção lei­tei­ra do ani­mal. Ou seja, quan­to mai­or a neces­si­da­de de nutri­en­tes, mai­or será a tole­rân­cia do ani­mal quan­to à dis­ten­são rumi­nal.

Saben­do os dois prin­ci­pais fato­res que con­tro­lam o con­su­mo volun­tá­rio de ali­men­tos pelos ani­mais, vamos enten­der melhor cada por­ção da die­ta e para isso sepa­ra­mos em dois gran­des gru­pos: volu­mo­sos e con­cen­tra­dos.

Volu­mo­sos

Con­si­de­ra­mos ali­men­tos inte­gran­tes des­te gru­po aque­les que pos­su­em nível supe­ri­or a 18% de Fibra Bru­ta (FB) em sua com­po­si­ção. Por­tan­to, esses ali­men­tos são os prin­ci­pais res­pon­sá­veis por for­ne­cer este nutri­en­te que comen­ta­mos ante­ri­or­men­te, garan­tin­do a cor­re­ta movi­men­ta­ção do ali­men­to den­tro do rúmen do ani­mal e, con­se­quen­te­men­te, melhor apro­vei­ta­men­to de tudo que é inge­ri­do.

Em rela­ção ao volu­mo, dois pon­tos essen­ci­ais no dia a dia da fazen­da são impor­tan­tes para serem obser­va­dos: teor de maté­ria seca e tama­nho das par­tí­cu­las.

Sila­gens, por exem­plo, com teor de maté­ria seca por vol­ta de 30%, faci­li­tam o con­su­mo e evi­tam a sele­ção de ingre­di­en­tes pelos ani­mais. Sila­gens com maté­ria seca mais alta que 30% ten­dem a redu­zir o con­su­mo. Sila­gens mais úmi­das, com teor de MS um pou­co abai­xo dos 30% podem ter sua pala­ta­bi­li­da­de alte­ra­da por se tor­nar mais pere­cí­vel. Por isso, é sem­pre bom tomar mui­to cui­da­do na obser­va­ção do teor de umi­da­de das sila­gens e pon­to cor­re­to de ensi­la­gem.

O tama­nho das par­tí­cu­las na die­ta tam­bém influ­en­cia no con­su­mo, sen­do que par­tí­cu­las meno­res pos­su­em alta taxa de pas­sa­gem, fican­do menos tem­po no rúmen, pro­por­ci­o­nan­do assim mai­or con­su­mo e no caso das par­tí­cu­las mai­o­res ocor­re o inver­so; elas ficam mais tem­po no rúmen.

O pro­ble­ma é que par­tí­cu­las mai­o­res podem pro­vo­car um dese­qui­lí­brio na quan­ti­da­de e na pro­por­ção dos ingre­di­en­tes (pro­vo­ca­da pela faci­li­da­de de sele­ção dos ingre­di­en­tes) inge­ri­da da die­ta esta­be­le­ci­da pelo nutri­ci­o­nis­ta. Por isso, iden­ti­fi­car a manei­ra que esta­mos pican­do esse mate­ri­al antes de ser for­ne­ci­do aos ani­mais e ade­quar nos­so maqui­ná­rio con­tri­bui para cor­re­ta nutri­ção.

 

Con­cen­tra­dos

Den­tro des­sa cate­go­ria colo­ca­mos os ali­men­tos que pos­su­em em sua com­po­si­ção um teor menor que 18% de FB, poden­do ain­da ser sub­ca­te­go­ri­za­dos em con­cen­tra­do ener­gé­ti­co (teor de pro­teí­na menor que 16%) e con­cen­tra­do pro­tei­co (teor de pro­teí­na mai­or que 20%). 

Tra­tan­do-se des­ta cate­go­ria, a inclu­são de ingre­di­en­tes de alta pala­ta­bi­li­da­de é um pon­to impor­tan­te para aumen­to do con­su­mo de maté­ria seca. A ração for­ne­ci­da às vacas em lac­ta­ção deve apre­sen­tar entre 18 a 24% de Pro­teí­na Bru­ta (PB) e aci­ma de 70% de nutri­en­tes diges­tí­veis totais (NDT). O for­ne­ci­men­to pode seguir a regra de 1 kg de ração para cada 3 litros de lei­te pro­du­zi­dos.

 

For­ne­ci­men­to da die­ta

Após veri­fi­car os com­po­nen­tes da die­ta, pode­mos par­tir para os méto­dos de for­ne­ci­men­to des­ta. Hoje em dia pode­mos divi­dir o for­ne­ci­men­to em dois gru­pos: ração total­men­te mis­tu­ra­da ou for­ne­ci­men­to com com­po­nen­tes sepa­ra­dos.

 

TMR (Ração Total­men­te Mis­tu­ra­da)

A TMR ou die­ta com­ple­ta é a mis­tu­ra dos volu­mo­sos, con­cen­tra­dos ener­gé­ti­cos, con­cen­tra­dos pro­tei­cos, mine­rais e vita­mi­nas. Ado­ta-se este tipo de die­ta para evi­tar que as vacas con­su­mam gran­de quan­ti­da­de de con­cen­tra­do de uma só vez. Ao for­ne­cer die­ta com­ple­ta é suges­ti­vo alcan­çar o teor de maté­ria seca da mis­tu­ra final entre 50 e 75%, e, como a sila­gem de grãos repre­sen­ta par­ce­la sig­ni­fi­ca­ti­va na die­ta, moni­to­rar a maté­ria seca, como men­ci­o­na­do, é pri­mor­di­al.

 

Com­po­nen­tes sepa­ra­dos

Quan­do se uti­li­za o for­ne­ci­men­to da die­ta com com­po­nen­tes sepa­ra­dos, ou seja, con­su­mo de pas­to mais for­ne­ci­men­to de con­cen­tra­do sepa­ra­do, ocor­re mai­or difi­cul­da­de em for­mu­lar die­ta com teo­res espe­cí­fi­cos de nutri­en­tes e o con­su­mo do volu­mo­so geral­men­te não é conhe­ci­do. Então, para oti­mi­zar este méto­do, o que pode ser fei­ta é uma simu­la­ção do con­su­mo de volu­mo­so pelo méto­do do qua­dra­do, esti­man­do assim o con­su­mo de nutri­en­tes pelo pas­to e com­ple­tan­do o que fal­ta via ração.

 

For­ne­ci­men­to de mis­tu­ra mine­ral

O for­ne­ci­men­to de mine­rais é de suma impor­tân­cia e, caso os ani­mais este­jam sob regi­me de pas­ta­gem e não rece­bam ração, estes devem ser suple­men­ta­dos no cocho cober­to e à von­ta­de, para evi­tar défi­cit dos mine­rais exi­gi­dos que pos­sam limi­tar a pro­du­ção.

 

Frequên­cia de for­ne­ci­men­to

Além de aten­tar à die­ta em si, aos méto­dos de for­ne­ci­men­to, a frequên­cia com que é for­ne­ci­da requer cui­da­dos. Ela deve seguir a regra de que sem­pre pre­ci­sa haver ali­men­to dis­po­ní­vel no cocho, ou seja, é pre­ci­so que haja sobra de ali­men­to com a mes­ma apa­rên­cia, chei­ro e tem­pe­ra­tu­ra da que foi for­ne­ci­da entre as refei­ções. Esta quan­ti­da­de de sobras deve ser em tor­no de 3 a 5% da maté­ria natu­ral for­ne­ci­da e o ajus­te pre­ci­sa ser fei­to dia­ri­a­men­te.

Para esti­mu­lar o con­su­mo, o suge­ri­do é mexer ou empur­rar a die­ta a cada 30 minu­tos, duas horas após o perío­do de for­ne­ci­men­to. Além dis­so, aumen­tar a quan­ti­da­de de tra­tos por dia tam­bém influ­en­cia posi­ti­va­men­te o con­su­mo de maté­ria seca pelos ani­mais.

 

Con­su­mo de água

Outro item bas­tan­te impor­tan­te, quan­do se tra­ta do mane­jo ali­men­tar de vacas lei­tei­ras, é o con­su­mo de água. Isso por­que o con­su­mo ina­de­qua­do influ­en­cia dire­ta­men­te o desem­pe­nho na pro­du­ção lei­tei­ra. A con­ta é sim­ples: as vacas pre­ci­sam beber cer­ca de 2,6 litros de água lim­pa e fres­ca para pro­du­zir 1 litro de lei­te. Assim, o con­su­mo médio para uma vaca em lac­ta­ção é 90 litros/dia, poden­do este valor ser alte­ra­do com incre­men­to de 20 a 100% pelo estres­se tér­mi­co.

Enten­den­do o com­por­ta­men­to e a neces­si­da­de ani­mal é pos­sí­vel fazer uma melhor pro­je­ção da deman­da por água em cer­tos momen­tos do dia. Isso por­que até 2 horas após a orde­nha, 75% dos ani­mais vão até os bebe­dou­ros e cer­ca de 30 a 50% da inges­tão diá­ria de água de vacas em lac­ta­ção ocor­re até uma hora após as orde­nhas. Isto mos­tra que é pre­ci­so um bebe­dou­ro com gran­de capa­ci­da­de de arma­ze­na­men­to de água para saci­ar a neces­si­da­de de todo lote, além de alta vazão do bebe­dou­ro, pois a deman­da após a orde­nha é mai­or. Outro fator a se aten­tar é que é pre­ci­so ter dis­po­ní­veis bebe­dou­ros com água lim­pa e fres­ca nas demais ins­ta­la­ções que as vacas per­ma­ne­ce­rem.

 

Cochos

Men­ci­o­na­mos aci­ma a impor­tân­cia de bebe­dou­ros bem estru­tu­ra­dos e capa­zes de aten­der a deman­da por água pelas vacas. Então, para o for­ne­ci­men­to da die­ta, o cocho tam­bém pre­ci­sa ser dimen­si­o­na­do para aten­der a neces­si­da­de de ali­men­ta­ção diá­ria das vacas. O espa­ço line­ar, altu­ra e pro­fun­di­da­de do cocho pre­ci­sam ser com­pa­tí­veis ao tama­nho do lote e dos ani­mais.

O indi­ca­do é que a área line­ar deve ter pelo menos 46 cen­tí­me­tros quan­do os ani­mais têm aces­so em perío­do inte­gral aos ali­men­tos e de 0,8 a 1 metro quan­do estão em regi­me de aces­so limi­ta­do ou quan­do não é pos­sí­vel sepa­rar as pri­mí­pa­ras das mul­tí­pa­ras. A altu­ra e pro­fun­di­da­de depen­dem da altu­ra média dos ani­mais, vari­an­do, em geral, pela raça.

Divi­são de lotes

Algu­mas prá­ti­cas de mane­jo podem ser ado­ta­das para oti­mi­zar o mane­jo ali­men­tar e, nes­te sen­ti­do, reco­men­da-se sepa­rar os ani­mais em lotes com ani­mais de seme­lhan­te exi­gên­cia nutri­ci­o­nal, bus­can­do sem­pre gru­pos homo­gê­ne­os.

O intui­to da for­ma­ção de lotes é pro­por­ci­o­nar opor­tu­ni­da­de para que todas as vacas tenham aces­so ao cocho, evi­tan­do domi­nân­cia de ani­mais. O agru­pa­men­to pode ser fei­to seguin­do os fato­res: ordem de par­tos (pri­mí­pa­ras e mul­tí­pa­ras); pro­du­ção de lei­te (alta, média e bai­xa pro­du­ção); esco­re cor­po­ral; dias em lac­ta­ção (DEL); situ­a­ção repro­du­ti­va.

Roti­na

Por fim, sabe­mos que bovi­nos lei­tei­ros são ani­mais extre­ma­men­te res­pon­si­vos à roti­na implan­ta­da, ou seja, qual­quer alte­ra­ção no mane­jo diá­rio bem como nos horá­ri­os de mane­jo, refle­tem no con­su­mo e no desem­pe­nho ani­mal.  Então, é pre­ci­so ter roti­na esta­be­le­ci­da de horá­ri­os, pre­zar pela qua­li­da­de do ali­men­to for­ne­ci­do todos os dias e bus­car for­ne­cer die­ta seme­lhan­te (não alte­rar brus­ca­men­te).

Nes­te arti­go, trou­xe­mos tópi­cos para que pos­sam aju­dar no cor­re­to mane­jo ali­men­tar do reba­nho. É ide­al ana­li­sar as medi­das que podem ser ado­ta­das em sua pro­pri­e­da­de com intui­to de favo­re­cer o desem­pe­nho ani­mal por meio da oti­mi­za­ção do con­su­mo.

 

Rolar para cima