Quan­do eu com­prar as ter­ras do meu vizi­nho, serei feliz! Quan­do eu com­prar um tra­tor novo, serei feliz! Quan­do eu tro­car de car­ro, serei feliz! Acre­di­ta­mos que somen­te sere­mos feli­zes quan­do alcan­çar­mos vitó­ri­as. Pen­san­do assim, faz sen­ti­do uma velha músi­ca do Odair José, um can­tor bre­ga que fez mui­to suces­so quan­do eu era jovem. Ele can­ta­va que “feli­ci­da­de não exis­te, o que exis­te são momen­tos feli­zes”. Eu pen­sa­va assim, mas há algum tem­po, mudei minha manei­ra de pen­sar. Eu acha­va que era o suces­so que tra­zia a feli­ci­da­de, mas des­co­bri que a feli­ci­da­de é que traz o suces­so! E que feli­ci­da­de não sur­ge por aca­so. Feli­ci­da­de pre­ci­sa ser cons­truí­da!

Schawn Achor é um pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Har­vard, dos Esta­dos Uni­dos. Ele me mos­trou que a feli­ci­da­de vem antes do suces­so. Eu apren­di len­do o seu livro O jei­to Har­vard de ser feliz. Ele fez um expe­ri­men­to com cer­ca de 1.600 pes­so­as e ficou evi­den­ci­a­do que agir com oti­mis­mo, pen­sar em coi­sas que tra­zem o sen­ti­men­to de feli­ci­da­de e ter con­ví­vio soci­al impac­ta posi­ti­va­men­te no ren­di­men­to edu­ca­ci­o­nal e na rea­li­za­ção de negó­ci­os, e não o con­trá­rio. Não é o suces­so nos estu­dos e nos negó­ci­os que faz as pes­so­as se sen­ti­rem oti­mis­tas, terem ami­gos e usu­fruí­rem de coi­sas que des­per­tam o sen­ti­men­to de feli­ci­da­de.

Uma empre­sa, a Metli­fe, deci­diu levar esta expe­ri­ên­cia a sério e resol­veu con­tra­tar somen­te ven­de­do­res que se mos­tra­vam oti­mis­tas e com­pa­rou o desem­pe­nho deles com o dos demais. Em um ano, o ren­di­men­to dos oti­mis­tas con­tra­ta­dos foi 19% supe­ri­or ao dos demais ven­de­do­res. Em dois anos, quan­do os novos con­tra­ta­dos já conhe­ci­am melhor o negó­cio, o ren­di­men­to deles foi 57% supe­ri­or. Isso nos leva a con­cluir que inte­li­gên­cia e conhe­ci­men­to são menos impor­tan­tes para se alcan­çar o suces­so. O impor­tan­te é ser oti­mis­ta, cri­ar redes de rela­ci­o­na­men­to e saber lidar com as pres­sões, o estres­se. Tenho 34 anos como pro­fes­sor e faço uma reve­la­ção: ser o pri­mei­ro da tur­ma não garan­te o suces­so. Ao con­trá­rio, tor­na o suces­so pro­fis­si­o­nal mais difí­cil.

É neces­sá­rio estar com­pro­me­ti­do em cons­truir a feli­ci­da­de. Ela não nas­ce pron­ta nem apa­re­ce de repen­te. Para cons­truí-la, bas­ta seguir qua­tro regras de ouro. A pri­mei­ra regra é mol­dar como o nos­so cére­bro enten­de o mun­do. É pre­ci­so pen­sar em coi­sas posi­ti­vas e ter hábi­tos posi­ti­vos. Cul­ti­var a gra­ti­dão, um sen­ti­men­to tão escas­so nos dias de hoje, é algo fun­da­men­tal para se sen­tir feliz, e fazer exer­cí­ci­os físi­cos tam­bém. A segun­da regra é assu­mir que viver é cor­rer ris­co sem­pre, e em cada ame­a­ça que sur­ge nas nos­sas vidas, tem um ensi­na­men­to a ser apren­di­do e uma opor­tu­ni­da­de a ser exer­ci­ta­da. Por­tan­to, as ame­a­ças pre­ci­sam ser enca­ra­das como opor­tu­ni­da­des de cres­ci­men­to. O medo para­li­sa e depri­me. Enca­rar o novo com curi­o­si­da­de faz a cami­nha­da atra­ti­va e pre­pa­ra a alma para sur­pre­sas. A ter­cei­ra regra é man­ter rela­ções com os ami­gos, cul­ti­var pes­so­as. Não tro­que tra­ba­lho por ami­gos. Tra­ba­lhe mui­to e viva com os ami­gos. Acre­di­te, é pos­sí­vel con­ci­li­ar ami­gos e tra­ba­lho!

A quar­ta regra é a dos 20 segun­dos. Se você tem um hábi­to que sabe que não é sau­dá­vel, mas não con­se­gue evi­tá-lo, tra­ba­lhe para sabo­tar seu cére­bro. Encon­tre uma for­ma de atra­sar a sua ação nes­te caso, sem­pre em 20 segun­dos. Por exem­plo, se você sabe que tem dedi­ca­do mui­to do seu tem­po em ver tele­vi­são, obri­gue-se a colo­car as pilhas no con­tro­le remo­to toda vez que for usá-lo. Se você pas­sa boa par­te do seu dia inte­ra­gin­do com as redes soci­ais, obri­gue-se sem­pre a entrar com login e senha toda vez que for se conec­tar. Assim, a von­ta­de pas­sa…

Quem é pro­du­tor de lei­te reú­ne moti­vos para ser feliz, e por isso a ati­vi­da­de é tão apai­xo­nan­te. Ver uma bezer­ri­nha nas­cer, cres­cer e se tor­nar vaca é algo que por si traz feli­ci­da­de. Tal­vez a vaca seja o ani­mal que mais des­per­te o sen­ti­men­to de feli­ci­da­de. Todos, ao lon­go da vida, conhe­ce­mos pelo menos uma vaca com o codi­no­me de Mimo­sa. Mas nun­ca vi um cachor­ro ou cachor­ra com este codi­no­me. Pro­du­zir lei­te é ver o ciclo da vida se reno­var dian­te de si a cada momen­to. E isso des­per­ta o sen­ti­men­to de feli­ci­da­de.

Mas é fácil cons­truir a infe­li­ci­da­de e o insu­ces­so. Um pro­du­tor de lei­te tem mui­to capi­tal acu­mu­la­do na pro­pri­e­da­de. Se somar­mos ape­nas o valor do reba­nho dos pro­du­to­res de um lati­cí­nio, só isso vale mais que o pró­prio lati­cí­nio. Logo, o pro­du­tor pre­ci­sa fazer ges­tão como fazem os ricos, ou seja, sem des­per­dí­cio. Rico não ras­ga dinhei­ro; des­per­dí­cio é hábi­to de pobre. Tam­bém é boba­gem espe­rar retor­no econô­mi­co rápi­do no lei­te, então, quem está na ati­vi­da­de tem de pen­sar no melhor. Já falar mal do lei­te como negó­cio é um óti­mo cami­nho para esti­mu­lar os filhos a irem embo­ra da pro­pri­e­da­de e não que­rer usu­fruir de todo o capi­tal que eles terão dis­po­ní­vel, por heran­ça.

Acre­di­te que a feli­ci­da­de vem antes do suces­so. Trei­ne seu cére­bro para ser oti­mis­ta. Cul­ti­ve gra­ti­dão. Caia para cima e não desis­ta. For­ta­le­ça suas rela­ções com pes­so­as e con­te até 20. Assim, você esta­rá cons­truin­do a sua feli­ci­da­de.

Rolar para cima