fbpx

Resgatando a pureza da raça Jersey

Por Por Fábio N. Foga­ça — Geren­te de Pro­du­to Lei­te Impor­ta­do da Alta

 

 

Após alguns regis­tros de pro­ble­mas ocor­ri­dos com ani­mais da raça Jer­sey em rela­ção a gene­a­lo­gia, na qual foram encon­tra­das gado bovi­no de outras raças como ances­trais des­ses ani­mais, a Asso­ci­a­ção Ame­ri­ca­na de Jer­sey (AJCA) resol­veu tomar medi­das que visam recu­pe­rar a con­fi­an­ça no regis­tro e na pure­za des­ta cate­go­ria.

  

Den­tre as pro­vi­dên­ci­as, pode­mos des­ta­car a recu­pe­ra­ção gené­ti­ca e a expan­são do Jer­sey, que con­tam com dois impor­tan­tes obje­ti­vos. O pri­mei­ro é iden­ti­fi­car fême­as com a gené­ti­ca e o segun­do, incen­ti­var a repro­du­ção delas e de suas filhas com tou­ros regis­tra­dos des­ta raça, seguin­do um cami­nho para o sta­tus de Reba­nho Regis­tra­do. A Recu­pe­ra­ção Gené­ti­ca se pre­o­cu­pou em regis­trar as fême­as Jer­sey ten­do gene­a­lo­gi­as ausen­tes ou incom­ple­tas, ou seja, os cha­ma­dos ani­mais puros de ori­gem des­co­nhe­ci­da. Já a expan­são da raça, cadas­trou fême­as sabi­da­men­te com par­te Jer­sey e par­te de outra raça, cha­ma­das de J1. A par­tir daí, os des­cen­den­tes do sexo femi­ni­no de uma J1 e um tou­ro Jer­sey Regis­tra­do foi o pri­mei­ro pas­so na Recu­pe­ra­ção Gené­ti­ca. E então, o foco foi cen­tra­li­za­do no núme­ro de gera­ções regis­tra­dos pela AJCA em um pedi­gree. Esse foi o iní­cio da Con­ta­gem de Gera­ções que con­so­li­dou e subs­ti­tuiu os pro­gra­mas mais anti­gos de maio de 2016.

 

con­ta­gem de gera­ções demons­tra a pro­fun­di­da­de da ascen­dên­cia de Jer­sey. O nome de um ani­mal inclui­rá um sufi­xo numé­ri­co fecha­do entre col­che­tes “{ }” para indi­car o valor de gera­ções de ascen­dên­cia regis­tra­da pela AJCA, que vai de 1 a 6 ( núme­ro de gera­ções do ani­mal até que se encon­tre, entre os seus ascen­den­tes, um de ori­gem des­co­nhe­ci­da ou um que não seja Jer­sey). A con­ta­gem de gera­ções entre col­che­tes para as cri­as aumen­ta uma uni­da­de em rela­ção ao mais bai­xo, entre o pai e a mãe, e é excluí­da do nome do ani­mal quan­do 7 ou mais gera­ções de ascen­den­tes são regis­tra­dos pela asso­ci­a­ção.

 

repre­sen­ta­ção da base da raça (BBR) é uma carac­te­rís­ti­ca genô­mi­ca que com­pa­ra o DNA de um ani­mal geno­ti­pa­do com um gru­po de refe­rên­cia Jer­sey e com todas as outras raças. O valor do BBR repre­sen­ta o per­cen­tu­al des­ta raça encon­tra­do em seu DNA. A polí­ti­ca do Con­se­lho de Cri­a­ção de Gado de Lei­te (CDCB) con­si­de­ra todos os valo­res de 94 ou mais (como 100) devi­do aos des­vi­os padrões. Os ani­mais abai­xo de 94 terão o seu valor nor­mal­men­te expres­sa­do. O AJCA publi­ca­rá um valor de BBR para todos os ani­mais regis­tra­dos, adi­ci­o­nan­do um nível de segu­ran­ça para o que é mos­tra­do em seu pedi­gree.

 

Apro­vei­to para com­par­ti­lhar os requi­si­tos míni­mos para um tou­ro ser impor­ta­do e regis­tra­do na Asso­ci­a­ção dos Cri­a­do­res de Gado Jer­sey do Bra­sil (ACGJB): eles devem ser con­si­de­ra­dos puros no país de ori­gem, pos­suir em seu pedi­gree pelo menos três gera­ções de Jer­sey conhe­ci­das, não ter nenhu­ma refe­rên­cia numé­ri­ca em seu nome e repre­sen­tar a base da raça (BBR), de no míni­mo 90. Por exem­plo, o tou­ro JX PEAK Alta­ATH­LE­TE {5} ‑ET | BBR 100 é regis­tra­do nor­mal­men­te e pode ser um ani­mal de cen­tral. Já o tou­ro OOMS­DA­LE BRA­ZO GRA­TI­TU­DE GHENT {2} ‑ET | BBR 82, não pre­en­che os requi­si­tos aci­ma e, por­tan­to, não pode ser regis­tra­do, bem como qual­quer filha que venha a nas­cer des­te tou­ro.

 

No Jer­sey da Alta, esta­mos empe­nha­dos em ofe­re­cer aos cli­en­tes de todo o mun­do a gené­ti­ca mais con­fiá­vel dis­po­ní­vel. A fim de cum­prir esta pro­mes­sa, vamos nos con­cen­trar na gené­ti­ca do Puro Jer­sey. Temos como com­pro­mis­so cri­ar valor, entre­gar o melhor resul­ta­do e cons­truir con­fi­an­ça em bus­ca do desen­vol­vi­men­to da pecuá­ria, garan­tin­do aos pecu­a­ris­tas a melhor manei­ra de usar a gené­ti­ca ali­a­da ao mane­jo, nutri­ção, ambi­en­te, ges­tão e todos os pro­ces­sos para garan­tir um ani­mal com todo o seu poten­ci­al gené­ti­co.

 

Refe­rên­ci­as

- SIM­PLE, ACCU­RA­TE AND TRANS­PA­RENT – Neal Smith, Exe­cu­ti­ve Secre­tary & Chi­ef Exe­cu­ti­ve Offi­cer of AJCA

- NEW RECOR­DINGS CLA­RIFY JER­SEY PURITY – Tara Boh­nert – Alta Gene­tics USA

Rolar para cima